Teve Gramado e pra quem reclamou está tendo post

‘Ok, decidimos ir para Gramado.’ Foi meu primeiro pensamento quando terminei de comprar minha passagem de ida e volta para uma das cidades que eu mais queria conhecer na vida. Quando me refiro a ‘decidimos’, é que eu e meus amigos da faculdade resolvemos participar como ouvintes do 20º Festival Mundial de Publicidade de Gramado. Então eu, Adriano, Lucas (a quem chamamos de Peixe), Samanta, Neyara, Wilker e Felipe juntamos o que tínhamos e não tínhamos em dinheiro e fomos para Gramado. Expectativas mais altas que a altitude que o avião atingiu na viagem de ida. Expectativas correspondidas e superadas.

No Festival fiquei mais ao lado de Peixe, Adriano e Samantha. Assistimos a todas as palestras que podíamos e foi tudo muito inspirador. O fato do Festival Mundial unir profissionais e estudantes nos deu um networking muito bom que pretendemos ampliar. As palestras foram incríveis. Vocês precisavam ver minha cara de embasbacado na frente do telão enquanto a renomada Flávia Moraes falava sobre a comunicação. Foi foda. Foi a experiência profissional que mais me animou até hoje. Mas, para ser completamente justo, tenho que falar que o Festival, em sua 20ª edição, já deveria ter percebido que o evento precisa de marketing online mais focado, cobertura ao vivo nas redes sociais e wi-fi. Só que não tô citando isso pra ser o crítico da situação, mas é que toda a experiência que aquele evento me proporcionou merece ser vivida por mais pessoas, assim valem as dicas para levar o Festival a um novo nível, afinal ele tem um potencial enorme. Ah, e antes que eu esqueça: O CONTEÚDO VALE A PENA. Ouvi uma galera falando ‘nunca fui porque dizem que é ‘encher linguiça’”, e talvez seja para quem não dá a mínima para que faz. Como amo a comunicação, aproveitei tudo que ouvi e de certa forma projetos meus ainda virão disto.

Mas como não só de trabalho e estudo vive o homem, fui beber meu povo. E foi ‘sensas’. O Boteco do Bill, que eu tinha dito para Adriano e Peixe que não parecia legal, foi massa e me fez experimentar as mais diversas cervejas existentes. Sério, nem sabia que o gosto de cerveja poderia variar tanto. Tinha doce, salgada (pelo menos achei salgada), e uma de café que foi a única que ninguém gostou. Não peça, se você for lá. Caso você vá, o lugar tem vinhos muito bons, ótimas cervejas (só fujam da de café que vai dar certo), uma lareira de dar inveja a cenário de filme romântico americano e uma sinuca esperta no andar de cima. A música? Variada, ou seja, vá sem preconceitos musicais.

Gramado também tem alguns lugares maravilhosos que preciso citar, um deles é a Igreja Matriz São Pedro Apóstolo, no qual não vou falar muito, pois tive uma conexão muito particular de fé lá e não explano minha vida religiosa, mas você precisa conhecer. E ao lado tem a incrível Fonte do Amor Eterno, que tem vários cadeados com nomes de casais que fizeram suas juras de amor eterno ali. Gente, é simbólico, é bonito e vale a pena ver. Wilker se encantou com o lugar, e eu, idem.

A Praça das Etnias é um show de beleza a parte. Todo florido, com anjos gigantes de vidro, a praça tem uma feirinha (não sei nem se pode chamar de feirinha) que tem os melhores pães que eu comi na minha vida. Tá desacreditando? Vai no TripAdvisor e olha o que a galera comenta de lá, depois você volta aqui e me não me agradeça, apenas me traga um pão de lá.

Gente, como esse post tá ficando imenso, vou tentar resumir mais ou menos o que você precisa fazer na cidade. Aproveite que tá em Gramado, vá em Canela e coma muito chocolate (fizemos muito isso), visite as lojas de chocolate, tome muuuuuito vinho e vá com casacos e luvas (lá são caríssimos, já compre na sua cidade mesmo). Tire um dia para andar na rua de madrugada, é calmo e você pode ver mais ou menos o que você quer ver no dia seguinte, então é um ótimo jeito de fazer planejamento. Eu fiz rap nas ruas e cantei com a Samanta, na luz do dia e com movimento achariam que somos loucos. Não deixe de ir ao Mini Mundo. Sério, é Mini Mundo na cabeça. Teve uma hora em que estava do lado da Neyara e vi ela contendo sua admiração pelo Mini Mundo, provavelmente com medo de perder alguma parte da história do lugar, contada por um guia que parece o Willy Wonka e te faz achar que você está vivendo em um livro maravilhoso.

Leve dinheiro, tudo precisa de dinheiro lá, então leve. Cuidado com a Zona Azul, a cidade é repleta de Zona Azul para estacionamento. Curta tudo sem pressa, porque Gramado é uma cidade para ser admirada. Ah, e aproveite muito… não tem nada em Gramado que seja ‘médio’, é tudo muito lindo, singular e propício para uma ótima experiência.

E foi assim… voltamos para casa depois de dias maravilhosos. Ainda temos um grupo no Whats que remete nossa saudade da cidade, temos chaveiros, panfletos de lugares e agora esse post, tudo para lembrar como a vida pode ser cheia de folhas de outono.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ps: Não sei fazer diário de viagem, mas o Latino também não sabe cantar e o faz mesmo assim.

Share This:

Nauan Sousa

Jornalista, social media e fã de cultura pop. Não gosto de determinar, prefiro analisar. Gosto de palavras, séries, doce e cerveja. Provavelmente você não irá com minha cara logo de cara, mas se você me der 3 minutos e 10 segundos posso te convencer que o 'Sério, Nauan?' vale sua visualização.

Um comentário em “Teve Gramado e pra quem reclamou está tendo post

  • 07/08/2015 em 00:54
    Permalink

    Não falou da Amy Enfrente a rua coberta, do fundie maravilhoso ou da estrada pra canela que parece cenário de Crepúsculo. Kkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.