O que o Grammy viu em “Confident”? Confira uma análise faixa por faixa do disco de Demi Lovato

O disco ‘Confident’ da cantora Demi Lovato foi oficialmente lançado em outubro de 2015, e voltou a ser pauta no meio pop por ter recebido indicação ao Grammy como best pop vocal album. A reivindicação das pessoas (de uma boa parte pelo menos) é a presença do álbum de Lovato e a ausência de outros álbuns que mais se destacaram. Então acho que, com a premiação marcada para essa semana, o momento é apropriado para uma análise faixa por faixa, não é? Vai que juntos descobrimos o que o grammy viu em ‘Confident’.

Faixa 1: Confident

Batidas fortes e letra idem, Demi abre seu disco com a faixa-título da obra. Cheia de amostras de um vocal invejável, Confident é toda sobre auto confiança, claro, e soa como Demi martelando a si mesma que é auto suficiente. Se isso pode soar forçado? Facilmente, mas muito do álbum é isso, parece que Demi quer provar a si mesma que não precisa provar nada a ninguém. Entende? A mistura de elementos da faixa reforça bem o conceito do álbum e mostra também que Demi está mais pop do que nunca em sua carreira.

 

Faixa 2: Cool For The Summer

Ponto alto do disco. Decididamente Demi está mostrando novos elementos em seu novo álbum e Cool For The Summer é a grande prova disso. Com uma produção synthpop, a faixa que tem todos os elementos típicos de hit de verão, traz uma Lovato mais descontraída e mais sexy. CFTS é tão boa que nos faz querer ver mais desse estilo na voz da cantora, porém o disco não nos presenteia mais nesse aspecto. É colocar no replay e ser feliz.

 

Faixa 3: Old Ways

Esta faixa conversa bastante com o conceito Confident porposto por Demi até aqui. Numa clara reflexão ao seu passado a cantora  diz em meio a ótimas batidas: “se alguém me disser que voltarei aos meus velhos hábitos. Eu vou dizer ‘de jeito nenhum'”. Sonoramente, Old Ways não traz nenhuma novidade apesar de ser boa, e também não traz musicalmente nada de surpreendente ao analisarmos o som de Demi durante sua carreira.

 

Faixa 4: For You

Dificilmente um amante de pop não gostará de For You. Aqui Lovato adequa perfeitamente sua voz a uma música que cresce de maneira maravilhosa. Por ser um hino de desilusão amorosa a faixa não conversa com o que o álbum traz até aqui e nos faz estranhar porque essa letra precisaria estar em um disco chamado “Confident”. Entenda, For You é maravilhosa, e talvez se encaixasse melhor em um outro álbum.

 

Faixa 5: Stone Cold

Balada poderosa. Demi aqui usou toda a sua voz e está quase gritando por um Grammy. “Stone Cold” é uma balada dolorosa em que a cantora vê o o ex seguir em frente. Se For You me deixou encucado no conceito de “Confident”, “Stone Cold” é quase um “vamos largar aqui o conceito do álbum para eu mostrar toda a minha voz para a sociedade”. Demi tem uma voz de deixar qualquer um admirado, mas Stone Cold peca pelo excesso, pela quantidade de vezes que a cantora sobe a voz de forma desnecessária. É uma balada bonita, é, mas não precisava de todo esse esforço para parecer mais foda do que ela realmente é. Enfim, parece um efeito Jessie J, que tem necessidade de gritar, mesmo todo mundo sabendo que sua extensão vocal é sensacional.

 

Faixa 6: Kingdom Come feat. Iggy Azalea

Black Widow + Dark Horse. Kingdom Come abraça o trap e nos faz indentificar a faixa através de outros hits de artistas. É dançante, mas sinceramente nada é surpreendente na canção. Iggy não brilha realmente aqui, seu rap soa óbvio e Demi também não tá em seu melhor momento no disco. Dificilmente vira uma favorita para quem ouve, facilmente esquecível.

 

Faixa 7: Waitin for You – Sirah

Inclinada para o R&B, Waitin for You  é apática. O que é uma pena, porque seu início parece promissor e simplesmente a faixa não cresce. Além disso ela finalmente encaixa um pouco do conceito “Confident” perdido, pelo menos nas letras. Sirah tem bons momentos e é só, porque Lovato soa linear.

 

Faixa 8: Wildfire

Bem baladinha midtempo, Wildfire é gostosa de ouvir. Demi aqui está suave, despretensiosa e maravilhosa. A faixa soa como um hit de Lana Del Rey com gritinhos alá Mariah Carey. Vale replay.

 

Faixa 9: Lionheart

Vocais poderosos. Lionheart é tudo que “Stone Cold” deveria soar, pois Demi cresce na música em momentos certos. A letra é incrível, a batida conversa com toda a proposta. Se combina com a nova fase de Demi? Acho humildemente que não. Apesar de incrível, colocar Lionheart aqui é meio confuso, já que faixa é exatamente o que Demi passou a carreira fazendo, músicas bem Disney. Deixa de ser bom? Não. Sai do contexto do disco e da proposta de uma “nova Demi”? Sai.

 

Faixa 10: Yes

Yes é apática. Pela sua simplicidade e sua repetitividade, a música se torna um dos elos fracos de “Confident”.

 

Faixa 11: Father

Difícil falar de uma faixa com uma conexão tão pessoal como Father, mas Demi consegue brilhar nessa música e consegue transmitir o que precisa nessa faixa. Na balada que puxa o soul, Demi fala abertamente sobre seu pai e de uma maneira confessional que emociona.

 

Faixa 12: Stars

Genérica e clichê. Não acho que “Confident” merecia uma faixa tão óbvia de um pop que parece tão preguiçosamente construído.

 

Faixa 13: Mr. Hughes

Ótima sonoridade. Demi aqui parece se divertir com uns elementos de jazz e com sua voz novamente em perfeita hamornia. É uma boa faixa.

 

Considerações finais

Confident é bem bagunçado sonoramente. As faixas não se conversam, constantemente saem do conceito do álbum, se é que ele tem um porquê pôr um nome em um disco não é o mesmo que criar uma base pra ele. Demi aqui atira com sua metralhadora de músicas comerciais, que não são ruins e você pode perceber isso no faixa a faixa. Porém são distintas, não se parecem com elementos de um trabalho como um todo. Demi mudou, amadureceu em vários aspectos, mas precisa saber como contar, ou melhor, cantar isso, e apesar de vocais impressionantes, ela precisa de um pouco mais de esforço pra fazer um álbum digno de Grammy. E é aí que vamos para o lance da indicação.

Afinal, o que o Grammy viu em Confident?

Demi é muito boa, tem um potencial incrível em um álbum que não mostra ao que veio, porém Demi tem essa mescla de ritmos ao seu favor, ela se mostra boa em diversas situações em um só material. Um material mediano? Um material mediano, mas que prova o quão ela é boa. Existiam sim outros discos mais coesos e interessantes para concorrerem a categoria no Grammy, mas quem sabe Demi perceba que ser indicada é bom , mas ganhar é melhor e comece a ter conceito em futuros álbuns, não é? Pois não é devido a concorrência, e sim ao cd, Confident está mediano para efetivamente ganhar um Grammy, e há 90% de chances de ele ser apenas um indicado, afinal se o mais recente álbum de Demi concorresse apenas com ele mesmo, tínhamos chances de ela ainda assim não levar prêmio para casa, não porque é uma aluna ruim, mas porque não fez o dever de casa.

Share This:

Nauan Sousa

Jornalista, social media e fã de cultura pop. Não gosto de determinar, prefiro analisar. Gosto de palavras, séries, doce e cerveja. Provavelmente você não irá com minha cara logo de cara, mas se você me der 3 minutos e 10 segundos posso te convencer que o 'Sério, Nauan?' vale sua visualização.

Um comentário em “O que o Grammy viu em “Confident”? Confira uma análise faixa por faixa do disco de Demi Lovato

  • 05/07/2017 em 18:19
    Permalink

    Concordo com quase nada que foi dito.
    Não achei o album mediano, puts esse álbum e ótimo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.