Crítica | Telefilme “Britney Ever After” é tão ruim que envolvidos na produção deveriam pedir desculpas para Britney Spears todos os dias

Fraco em roteiro, elenco, figurino, cenário e tudo mais que você possa imaginar, “Britney Ever After” é uma versão ruim, preguiçosa e limitada da carreira de Britney Spears. Claro que telefilmes geralmente possuem orçamento limitado se comparado a grandes produções de Hollywood, mas a biografia não autorizada de Britney é terrivelmente comprometida pelo desleixo e falta de talento dos envolvidos.

Imagem: Reprodução

 

Conhecida por ter produzido alguns filmes biográficos, a Lifetime recentemente apostou suas fichas em um telefilme sobre a vida e carreira da cantora Britney Spears. Como era de se esperar, Britney não aprovou a biografia, mas mesmo assim o material foi ao ar e levou duras críticas por ser tão mal executado que nem um Framboesa de Ouro merece, que é pra não dar o gosto ao Lifetime.

 

Sinopse

O filme conta a ascensão de Spears no pop desde o hit “Baby One More Time”. Explorando seus desentendimentos com a mídia, sua crise psicológica, envolvimento com drogas e relacionamentos, o telefilme conta com uma mistura de cenas baseadas em situações reais e momentos ficcionais.

 

Roteiro

Britney Ever After é uma grande bagunça em roteiro e cronologia. Quem não conhece a história de Britney facilmente se perde na quantidade de informações que a história tenta passar, mas na verdade acaba não passando nenhuma bem. Nada no roteiro parece ter sido pensado para tornar o que realmente a carreira de Britney é: grande. Em vários momentos dá a impressão que a cantora não é o estrondo que foi e tudo que cerca suas falas são tão artificiais que em determinados pontos soa forçado uma reação mais brusca de um personagem. Fora que alguns momentos soaram sensacionalistas e as situações ficcionais foram realmente embaraçosas, além de uma suposta sextape de Timberlake e Spears ter sido mencionada, os astros (levando em consideração o filme) tiveram uma disputa de dança numa balada após o término (oi?).

Imagem: Reprodução

 

O roteiro do telefilme com certeza foi um contribuinte para o fracasso de audiência e crítica que acompanhou a trama. Britney, sua carreira e história realmente mereciam coisa melhor, mas o que ofereceram foi um prato cheio de situações do tipo Malhação. Momentos icônicos que até hoje são lembrados na cultura pop por ter Britney na narração foram colocados de “qualquer jeito” no material, sem o mínimo de cuidado em retratar a grandiosidade de cada fato.

Elenco

Não tem exatamente como definir o desconforto do elenco com seus personagens. Em nenhum momento nenhum ator de Britney Ever After realmente se destaca. Nathan Keyes, que interpreta Justin Timberlake, beira a vergonha alheia com sua péssima atuação e sua forçação nítida em conseguir ter alguma expressão, algo que desse ao telespectador uma dica se ele estava ‘feliz’ ou ‘triste’, o básico de um ator.

 

Já Natasha Bassett parece ter estudado os trejeitos de Britney Spears, só que na hora de executar ela pesou na mão e ficou estranho, muito estranho, parecia uma paródia ruim da cantora. No todo a escolha do elenco encaixou com o roteiro para um perfeito desastre.

 

Figurino e Cenário

O que são os figurinos e estruturas de palco de Britney Ever After? Será que eles acharam realmente que em algum segundo aquilo representaria a carreira da Britney. Estamos falando de um filme biográfico de uma performer mundial, que viveu boa parte de sua vida nos palcos, fazendo história em VMAs, mostrando performances que acompanhavam o ritmo que sua vida estava levando. A representação da performance de Gimme More (o filme só tem uma estrutura de palco) foi bizarra, mal feita e completamente preguiçosa. Os figurinos de Bassett nem de longe representam as roupas da cantora durante sua trajetória e num filme de uma artista pop do nível de Spears, o mínimo que se espera é capricho em figurino e estruturas de palco para as representações. Toda essa falta de cuidado da produção dá impressão de que a Lifetime não estava nem aí para o que iria colocar no ar. De fato, o resumo da obra mostra que Britney Ever After foi só um caça audiência mal feito.

 

Resumindo…

A história de Spears em um filme ainda parece uma ótima idéia, pois a cantora viveu momentos em que as pessoas precisam ver o quanto a mídia e o público podem ser cruéis com seus ídolos e o quanto tem gente querendo ver as pessoas afundarem. É uma verdadeira lição a muitos que cobram que artistas sejam máquinas de produzir entretenimento. Britney tem uma história de reviravolta surpreendente que levanta temas discutíveis até hoje como drogas, cyber bullying, transtornos e indústria musical, e Britney Ever After levantou essa bola, apesar de ter uma execução lamentável. Ou seja, espero que algum cineasta veja o quão seria bom um filme digno para a carreira de Britney e jogue para escanteio esse telefilme que prometeu, mas nem veio para uma partida.

 

Avaliação

Nota 1,0: Péssimo!

Share This:

Nauan Sousa

Jornalista, social media e fã de cultura pop. Não gosto de determinar, prefiro analisar. Gosto de palavras, séries, doce e cerveja. Provavelmente você não irá com minha cara logo de cara, mas se você me der 3 minutos e 10 segundos posso te convencer que o 'Sério, Nauan?' vale sua visualização.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.