Come To Brazil! Você já parou pra pensar porque o Brasil virou moda no pop mundial?

Esses últimos meses tem sido recheados de surpresas positivas para os brasileiros no mercado pop mundial, não é? Começamos com Iggy Azalea anunciando parceria com Anitta ao mesmo tempo que a carioca lança um single em espanhol. Além disso Major Lazer libera uma parceria da cantora com a maravilhosa drag Pabllo Vittar, que ultrapassou RuPaul nas redes e tem o instagram de drag mais seguido do mundo, além do videoclipe feito por uma drag mais visto do mundo. Tá pouco? Gretchen, rainha do rebolado desde os anos 70 e dos memes desde que a internet é internet, se tornou estrela do lyric video Swish Swish de Katy Perry. Mas pera, porque que os cantores gringos estão tão focados no Brasil? Você já parou para pensar nisso?

 

Mudança de mercado

É nítido que o mercado fonográfico mudou muito nas últimas décadas. Se antes o êxito de um artista pop vinha da venda de seus álbuns, a medição passou a ser feita pela venda de singles em iTunes e agora em views nas plataformas digitais. Vender CDs ainda é bom? É ótimo e o mercado ainda precisa disso, porém os artistas sempre sobreviveram de seus shows e turnês, é isso que dá lucro.

Antes os álbuns eram os atrativos para arrecadar fãs para shows de uma turnê especial do disco que obteve um bom êxito em vendas e se tornou popular. Hoje, com a internet envolvida no processo, as turnês permanecem sendo fonte de lucro, mas as vendas de álbum não possuem mais fôlego para sozinhas serem o atrativo que traz público ao show. A forma de consumir música mudou. Para isso os singles precisam de popularidade, viralização e engajamento. É isso que no fim das contas fará com que a música pop do cantor X ou Y grude no ouvido, se tornando um hit, vendendo como água no iTunes, multiplicando views no Youtube e Spotify e revertendo em pessoas interessadas pelo show do artista. A conta é simples, engajamento gera lucro.

 

Brasileiros fazem barulho

Se engajamento ajuda na visibilidade, quem melhor pra ajudar nos números de streamings e visualizações que o fã brasileiro? O fã brasileiro sempre foi conhecido por sua paixão. Não é a toa que vira e mexe um artista se declarava abertamente para o Brasil porque percebia o quão caloroso era seu “público verde e amarelo”. Com a internet a coisa se intensificou. O Brasil começou a se destacar por seus memes, por subir tags de ídolos, por falar com esses famosos por lives e etc. Ou seja, o que antes eram lotações de shows aqui, virou algo perceptível a quem quisesse ver.

O Brasil também passou a produzir carreiras de dar inveja a artistas gringos, Anitta é o exemplo vivo de que não precisa conquistar uma carreira mundial para obter números com ares de artista conhecida pelo mundo todo. ENGAJAMENTO. Os fãs brasileiros fazem mutirões de visualizações e comentários nos materiais dos ídolos, pedem para youtubers gringos reagirem a videoclipes brasileiros, vota em tudo que é votação possível e impossível, sobe tag no Twitter e até cria memes pra ajudar na divulgação de singles. Só para termos comparativos (não de qualidade porque ambas as músicas são ótimas) há 1 ano atrás Demi Lovato lançava seu clipe Cool For The Summer que hoje possui quase 280 milhões de acessos no Youtube, pouco tempo depois nasceu Bang da Anitta que hoje acumula 302 milhões de views. Para comparação Demi é conhecida em diversos países, já protagonizou séries na Disney, tem como impulsionar músicas na parada americana, uma parada que por vezes dita tendência no pop mundial, já Anitta conseguiu um hit numericamente superior no Brasil, fora as visualizações do clipe de Lovato que são de fãs brasileiros apaixonados, que muitas vezes se mostraram mais engajados pela cantora que qualquer outra fan base.

Outro fato curioso foi lançamento recente do EP de Major Lazer, mal as faixas foram divulgadas e a ascensão imediata de “Sua Cara” tornou-se óbvia. O featuring com Anitta e Pabllo Vittar colou numericamente com a faixa Know No Better que possui participações de artistas mundialmente conhecidos e tem verba para rádios e videoclipes, o plano para o sucesso do EP não teve como ser outro, Pabllo e Anitta foram convocadas para gravar um clipe em marrocos.

 

Falando em Pabllo, o engajamento de suas músicas é tão grande que K.O ultrapassa os streamings da icônica Sissy That Walk de RuPaul no Spotify e o mesmo acontece no Youtube. Para vocês terem noção dos números, K.O da Pabllo tem 10 milhões de visualizações a mais que o clipe de ZAYN, Still Got Time, e ambos foram lançados quase no mesmo dia.

 

Ou seja, o mercado percebeu que o Brasil consegue fazer números grandes. Consegue colocar artistas no topo de paradas. Que a euforia vira visibilidade e quem ganha é o artista, independente de que país ele seja. Ariana Grande, One Direction, Demi, Lady Gaga, Ed Sheeran, Adele e outros artistas, por exemplo, já ganharam inúmeras premiações por vendas de discos e singles por aqui, fora a porrada de acessos que cada um de seus videoclipes tem de brasileiros.

Se a grande luta agora é pela escalada no ranking de streamings, é melhor para eles jogarem as expectativas em fãs apaixonados que engajam, que fazem esses mutirões, que comentam e que reproduzem. Isso pode ser visto como bom ou ruim dependendo do ângulo, mas com plataformas como Youtube, Spotify e até Netflix, no caso de séries e filmes, fica claro de onde os acessos vem, de onde a torcida de cada cantor vibra. Iggy comentou dia desses no Twitter que descobriu que os brasileiros eram quem mais ouviam seus sons. Tempos depois ela aparece com Anitta, não é coincidência, é? Katy Perry tem fãs fervorosos no Brasil, a Gretchen não está no lyric de Swish Swish à toa. Enquanto estamos aqui, em 7 horas de vídeo no ar, 2,7 milhões de espectadores deram play para ver Gretchen na nova produção de Perry. Nada mal.

 

Próximos passos

Nossos memes engajam, nossos cantores conseguem números incríveis. Talvez o pop nacional agora tenha uma chance imensa de se fundir um pouco com pop mundial e sim, teremos em breve cantores brasileiros bombando lá fora. Anitta está indo no caminho certo, Pabllo também, e com portas que foram abertas pelos fãs brasileiros. Agora é se jogar na carreira internacional enquanto a gente leva a festa toda pro mundo inteiro, mas please, come to Brazil sempre.

Share This:

Nauan Sousa

Jornalista, social media e fã de cultura pop. Não gosto de determinar, prefiro analisar. Gosto de palavras, séries, doce e cerveja. Provavelmente você não irá com minha cara logo de cara, mas se você me der 3 minutos e 10 segundos posso te convencer que o 'Sério, Nauan?' vale sua visualização.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.