Entrevista | Grupo Ravena fala sobre carreira, primeiro EP, X Factor e encontro com Mel C

Julia Rezende, Lais Bianchessi, e Jack Oliveira foram descobertas na primeira edição do X Factor Brasil como cantoras solo, porém o programa as juntou como girlband e com outra participante, que já não está mais no grupo, formaram o Ravena. Com altas expectativas de uma franquia que descobriu Fifth Harmony e Little Mix, as meninas do Ravena passaram por duras críticas, mas conseguiram chegar na final da competição de música e conquistaram o terceiro lugar.

 

Hoje, o trio, visivelmente mais maduro musicalmente, já está com EP nas plataformas digitais, clipe no Youtube e tiveram a honra de cantar Wannabe para ninguém mais, ninguém menos que Mel C. Sim, o Ravena está vindo com força e as meninas não estão para brincadeira. Em uma entrevista via e-mail para o nosso blog, elas falaram sobre o reality que as descobriu, influencias e novos passos na carreira.

Imagem: Reprodução

 

Nauan: Vou começar com uma pergunta que vocês devem responder sempre e acredito que responderão pra sempre, mas vamos lá porque sempre tenho essa curiosidade com grupos musicais. Como é a convivência de vocês? Vocês brigam muito ou é sempre tudo tranquilo? E quanto ao processo criativo do Ravena, vocês geram geralmente concordam ou discordam uma da outra?

Lais: A gente não tem muitos problemas de convivência, somos muito diferentes em alguns aspectos, mas temos muita afinidade e liberdade também. Claro que tem dia que alguém não tá bem, ou a gente discorda em alguma questão, mas como em qualquer relação é preciso ceder, respeitar o espaço do outro, conversar e ser sincero acima de tudo, esse é o nosso lema e tem dado certo até então rs. Acho que a nossa boa relação torna o nosso trabalho mais legal e mais fácil, é um aprendizado diário.

 

Nauan: Vocês foram descobertas no X Factor Brasil e chegaram juntas na final. Como foi participar do programa? Qual foi a parte mais difícil do reality?

Jack: Foi uma experiência muito diferente de tudo que a gente já viveu. O X Factor foi uma escola em relação a tudo, desde a parte artística, até descobrir sobre a nossa capacidade de lidar com as emoções, com o cansaço, as críticas, sobre lidar com nós mesmas e com o grupo novo, enfim, muitos desafios.

 

Nauan: Foi difícil “surgir” na frente do público? Afinal, vocês tiveram pouco tempo para se adaptar uma a outra, formar uma girlband e já foram para a fase do ao vivo.

Júlia: No começo a gente teve muita dificuldade em relação a tudo. Pensar em grupo, cantar em grupo, conviver em grupo, era muita novidade pra tão pouco tempo. Fomos muito criticadas na época do programa mas só a gente sabia a real. Tínhamos muito pouco tempo pra ensaiar as músicas e pensar em conjunto onde cada uma se encaixaria melhor, sobre como a gente iria se apresentar no palco e sobre manter a nossa individualidade mesmo sendo grupo. Até o programa a gente encarava a música mais como um hobby do que como uma profissão. Agora nos dedicamos para isso e estamos aprendendo com a experiência.

 

Nauan: Uma das integrantes do grupo saiu. Como foi isso e como vocês souberam que continuariam com o projeto mesmo com essa saída?

Jack: Nós buscamos força umas nas outras pra seguir atrás do que a gente acreditava. A gente construiu um laço muito forte que é o que nos mantém juntas até hoje, e os ravenáticos também nos apoiaram nessa nova formação.

 

Nauan: Apesar de estarem dando os primeiros passos, o Ravena já tem muita história, né? Mas conta pra gente, como vocês vêem o grupo durante o reality e como vocês enxergam o trio hoje?

Lais: Muita história mesmo!!! Tudo foi muito intenso e as coisas aconteceram muito rápido. Quando olho pra trás fico muito feliz de ver a nossa trajetória, acho que na vida tudo é experiência e aprendizado. Nós amadurecemos muito de um ano pra cá, artisticamente. Até aprendemos a dançar!!! É muito reconfortante saber que fizemos a escolha de continuarmos juntas, e de lutar por esse sonho, que agora são três em um.

 

Nauan: Falando em hoje, atualmente vocês estão trabalhando o EP “Maravilhosa”. Fala um pouco sobre esse projeto, as inspirações, as composições e etc.

Lais: Depois do X Factor a gente deu um descanso para esfriar a cabeça e tentar encontrar a nossa identidade. Tentamos compor músicas próprias, mas as coisas foram acontecendo muito rápido, aí procuramos por músicas que tivessem afinidade com a gente, que a gente gostasse de cantar e se identificasse com a letra. Duas das composições (“Deixa eu te mostrar” e “Começou não para”) são da cantora e compositora Kell Smith. “É assim que se faz” e a faixa que dá nome ao EP “Maravilhosa” são dos compositores Pablo Bispo e Júnior Nikimba, respectivamente. Além de “Wannabe” que nós regravamos, das Spice Girls. Acho que o EP ficou bem a nossa cara, com personalidade, atitude e também traduz a ideia de força feminina e diversidade que nós queremos passar.

 

Nauan: No EP tem uma versão de Wannabe das Spice Girls. É a girlband preferida de vocês?
Jack: A gente se inspira muito nas Spice por tudo que elas representaram pra época, sobre atitude, ousadia e personalidade. Elas foram a primeira GirlBand mundial, e nós admiramos muito. Esse ano tivemos a oportunidade de prestar uma homenagem pra Mel C, uma das integrantes do grupo na época, no Altas Horas. Cantamos “Wannabe” e gostamos tanto da vibe que trouxemos ela pro nosso repertório e pro EP. Foi uma experiência incrível.

 

Nauan: Vocês já possuem um clipe bombando na web, o “É Assim Que Se Faz”, mas já queremos saber qual vai ser o próximo e se ele vai seguir a mesma vibe do primeiro vídeo.
Júlia: O próximo clipe, que vamos gravar em breve, é do nosso novo Single “Maravilhosa”. A gente quer fazer algo que seja da nossa personalidade e que seja verdadeiro. A gente gosta de explorar a sensualidade, porque é algo bonito e natural da mulher, mas também temos nosso lado espontâneo e meio brincalhão, temos muito pra mostrar ainda!

 

Nauan: Se vocês pudessem em unanimidade escolher apenas um artista nacional para um feat hoje, quem seria?

Júlia: Alok!!!

 

Nauan: E se fosse um artista internacional…

Jack: Camila Cabello!!!

 

Nauan: EP, shows, feats, clipe e um futuro todo pela frente dentro de um mercado em alta para o pop nacional. O que podemos esperar do Ravena daqui pra frente?

Lais: Muita ousadia, coreografias, música pra balançar a “raba” na balada, em casa, com os amigos, e Enfim, falando sério agora, a gente quer mesmo passar a mensagem de que as mulheres precisam ser uma classe mais unida, a gente sente isso bem na pele, é a nossa verdade. Vai ter Girl Power sim, seja loira, morena, negra, azul ou rosa, viva a diversidade!!!

 

 

Share This:

Nauan Sousa

Jornalista, social media e fã de cultura pop. Não gosto de determinar, prefiro analisar. Gosto de palavras, séries, doce e cerveja. Provavelmente você não irá com minha cara logo de cara, mas se você me der 3 minutos e 10 segundos posso te convencer que o 'Sério, Nauan?' vale sua visualização.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.